Polícia do RJ tem 140 inquéritos suspensos desde decisão de Toffoli;

Presidente do STF suspendeu, em julho, inquéritos com base em relatórios do Coaf sem autorização judicial. Para procurador, momento atual é ‘o maior desafio que a Lava Jato do Rio já enfrentou em termos de posicionamento do Supremo’.

Estão suspensas na Polícia Civil do Rio 140 investigações envolvendo o crime de lavagem de dinheiro. O motivo é a decisão do ministro e presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, que interrompeu – temporariamente – inquéritos embasados em relatórios de inteligência financeira que não tivessem autorização judicial.

Em meados de julho, Toffoli ordenou que parassem, em todo o país, todas as investigações embasadas em informações compartilhadas pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e pelo Fisco sem autorização da Justiça.

No fim do mês passado, o Coaf passou ao comando do Banco Central, com outro nome e um novo presidente. O órgão passou a se chamar Unidade de Inteligência Financeira (UIF).

A decisão de Toffoli
Toffoli decidiu interromper as investigações com dados do então Coaf após pedido da defesa do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro.

No fim de 2018, um relatório do Coaf apontou operações bancárias suspeitas de 74 servidores e ex-servidores da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

O documento revelou movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta de Fabrício Queiroz, que ex-motorista e ex-assessor de Flávio Bolsonaro, quando o parlamentar do PSL ainda era deputado estadual.

Fonte:https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2019/09/05/policia-do-rj-tem-140-inqueritos-suspensos-desde-decisao-de-toffoli-apuracao-sobre-acusado-de-matar-marielle-esta-parada.ghtml