HQ traz herói brasileiro de direita que luta pela liberdade

HQ traz herói brasileiro de direita que luta pela liberdade

18 de fevereiro de 2020 0 Por newnoticias

Destro é o primeiro quadrinho brasileiro com viés de direita e profundamente crítico de regimes totalitários

O cenário é São Paulo e o ano é 2045, um ano não tão distante. O Brasil caiu em desgraça totalitária comunista após uma série de acontecimentos que se iniciam quando uma empresa global de internet chamada Guide (Google?), frauda as eleições americanas, produzindo um efeito cascata.

“Não fique com nojo”, diz o personagem principal ao colocar um rato para assar em uma fogueira, após caçá-lo com sua pistola nas ruas deterioradas da cidade. “Quando o socialismo de verdade chega, há pouca coisa para comer”.

Assim começa a primeira história de Destro, o martelo da direita. “Num mundo em que o socialismo venceu, ele é a única chance de liberdade”, diz a divulgação da revista que será lançada em abril, após um financiamento coletivo muito bem sucedido. Não é à toa. Heróis de direita parecem estar sendo o oxigênio do segmento, após o cansaço dos leitores com as “lacrações” da esquerda cultural, especialmente nos EUA, onde personagens transgêneros e homossexuais vêm se tornando moda. E ai de quem criticar.

Criado por Ed Campos e Michel Gomes, Destro é o primeiro quadrinho brasileiro assumidamente conservador, com viés de direita e profundamente crítico de regimes totalitários. Assim, a revista desafia todo o establishment midiático e cultural, alfinetando a hegemonia da esquerda e o politicamente correto.

A exemplo de O Doutrinador, personagem que busca encarnar a indignação conservadora dos brasileiros contra o sistema corrupto montado pela esquerda, Destro vai além e diz claramente a que veio.

“Alguns amigos preferiram o trabalho forçado para ter o que comer”, diz o personagem-narrador enquanto vemos camponeses arando o solo em pleno centro de São Paulo, cuidados de perto por soldados muito bem armados. É incrível, mas já há gulags no Alto Tietê. Mas para mim, a liberdade não se negocia”, diz Destro.

Aos poucos, a trama vai revelando os acontecimentos que levaram à situação apocaliptica na qual se desenrola a vida miserável do personagem em busca de vingança. O cenário é devastador, as imagens, perturbadoras. O alerta é necessário em um país no qual dizer-se comunista é permitido, tendo a ideologia o mesmo potencial mortífero do nazismo.

A história de Destro é um alerta importante sobre um destino possível e temível, contra o qual o Brasil vem se levantando ao menos culturalmente.

Mais informações, na página do Facebook do personagem.