Filhos herdam inteligência da mãe, aponta estudo

Pode não parecer surpreendente, mas estudos iniciados na Universidade de Cambrigde, em 1984, apontam para o fato de que a inteligência dos filhos têm muito mais chances de vir da mãe do que do pai.

Como isso funciona geneticamente?
Isso acontece, pois a inteligência (identificada em comportamentos estudados no córtex cerebral) é originada do cromossomo X.

Tendo isso em vista, a matemática é simples: a informação genética da mãe contém dois X enquanto a do pai apenas um (XX vs XY).

Por esse motivo, a mulher é mais propensa a transmitir genes de inteligência do que o homem.

Isso é observado por meio de estudos em laboratório com ratos geneticamente modificados em que aqueles com uma dose extra de genes maternos desenvolviam cabeças e cérebros maiores, juntamente com corpos menores.

Já aqueles com uma dose extra de genes paternos tinham cérebros pequenos e corpos grandes.

Nesse estudo, os pesquisadores identificaram células que continham apenas genes maternos ou paternos em seis partes diferentes do cérebro do rato que controlavam diferentes funções cognitivas: desde hábitos alimentares até memória.

O resultado foi um acúmulo de genes paternos em partes do sistema límbico, o qual está relacionado a funções tais como o sexo, alimentação e agressividade.

Por outro lado, esses mesmos genes do pai não foram encontrados no córtex cerebral, que é onde as funções cognitivas mais avançadas ocorrem, como o raciocínio, pensamento, linguagem e planejamento.

“Mas nós não somos ratos!”, você pode alegar. E com razão.

Por conta disso, pesquisadores de Glasgow, na Escócia, escolheram uma abordagem mais humana para explorar as origens da nossa inteligência.